CLIPPING: Jornal Liberal e site LR1.com.br destacam matéria técnica sobre tendências que impactam a área tecnológica

O jornal impresso O Liberal Regional e o site www.lr1.com.br publicaram matéria técnica sobre as tendências que impactam a área tecnológica. O conteúdo traz fala da engenheira Isabelle Gama, filiada à AEAN. Confira.

Matéria Técnica

 

Tendências que impactam a área tecnológica

 

Tecnologia e digitalização provocam mudanças no comportamento de quem precisa inovar

 

Atuar nos ramos das engenharias, agronomia e geociências é um grande desafio. Os profissionais precisam antecipar tendências, analisar mercado e mapear inovações na tentativa de prever as condições futuras da área tecnológica. A missão se deve ao cenário de constantes mudanças econômicas com o surgimento de tecnologias em ritmo acelerado.

“A digitalização segue sendo protagonista no desenvolvimento e tendências para novas soluções. Até pouco tempo não tínhamos diferenciação, por exemplo, nas nomenclaturas que definiam as startups. Agora, elas já se transformam em construtechs2, agtechs3, edutechs4”, explica o chefe da equipe de Inovação do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo (Crea-SP), Eng. Augusto Pantaleão.

A adição do termo ‘tech’ frente ao setor, seja na construção civil, no agronegócio ou na educação, mostra o quanto o movimento da tecnologia e da digitalização tem levado para a mostra o potencial desses mercados. A inovação deixa de ser sinônimo das novas modalidades de trabalho para representar a transformação das formas de exercer ou executar determinadas funções.

São várias as referências: Internet das Coisas5 (da sigla IoT, em inglês) que conecta aparelhos e equipamentos numa mesma rede para compartilhamento de dados; metaverso6, com o surgimento dos ambientes virtuais que simulam a vida real; digital twin7, ou o gêmeo digital, usado para gerar um mesmo objeto, projeto ou estrutura em versão totalmente eletrônica, permitindo uma visualização completa e integrada; criptomoedas8, ativos financeiros que não existem em forma física. A lista cresce a cada dia.

E tudo isso tem razão de existir. Segundo Pantaleão, as soluções que envolvem o digital visam melhorar processos, gerar eficiência e impactar menos o meio ambiente. “Não tem mais como falar em inovação sem pensar em planejamento eficiente e sustentável. Seja qual for o campo de atuação, a visão de negócio deve agregar o digital”, diz.

O profissional deve estar preparado. Afinal, espera-se dos engenheiros, agrônomos, geocientistas e tecnólogos esse entendimento de futurismo, que nada mais é do que a metodologia que une ciência e arte para explorar, antecipar e protagonizar o amanhã. O que requer muito estudo.

“É preciso, minimamente, acompanhar essas tendências por meio de leitura dos conteúdos disponíveis. Mas, quando se trata de uma pessoa que está inserida no grande mercado, é importante ir além para aprender realmente como funcionam essas tecnologias”, comenta o engenheiro, ao falar da busca constante por conhecimento teórico com aplicação na prática.

O Crea-SP tem se posicionado como referência em inovação no setor público, evidenciando sua transformação a partir da adoção de uma série de estratégias que colocam o profissional no centro das decisões. A aposta foi na inclusão de um departamento de Tecnologia e Inovação que monitora, estuda e traz as novidades para mais próximo do ecossistema.

Como parte das ações, o Conselho lançou também o CreaLab (www.creasp.org.br/crealab), uma plataforma de relacionamento entre pessoas, organizações, startups e academia para lidar com os desafios desse contexto. E o Crea-SP Capacita (www.creasp.org.br/capacita), voltado especialmente para a capacitação e qualificação dos profissionais, colaboradores e demais interessados da sociedade civil, de forma gratuita ou em condições favoráveis, nos temas mais atuais da área tecnológica. As formações vão desde cursos livres às pós-graduações realizadas em parceria com renomadas instituições de ensino.

Resultado dessas iniciativas são os estudos de tendências, tecnologia e inovação que fomentam as áreas das Engenharias, Agronomia e Geociências. Os materiais são compartilhados entre as entidades de classe para que elas reproduzam os conhecimentos aos seus associados.

As feiras e exposições são outros espaços nos quais é possível aprender, bem como os cursos e eventos realizados pelo Conselho ou pelas parcerias formalizadas com as entidades de classe. “A partir do momento em que você está inserido numa realidade onde é preciso buscar eficiência, inovar e agir de forma sustentável, o melhor dos mundos é unir todas essas fontes para entender se as tendências servem ou não para aquilo que procura”, finaliza Pantaleão.

 

Desafio constante

 

“De fato, as tendências exercem um poderoso impacto na área tecnológica, desafiando constantemente os profissionais das engenharias, agronomia e geociências a se adaptarem às demandas em evolução. A crescente digitalização e tecnologização de processos têm redefinido as práticas tradicionais, exigindo uma mentalidade inovadora e uma habilidade ágil de adaptação”, comenta a engenheira filiada à Associação dos Engenheiros e Arquitetos da Alta Noroeste (AEAN), Isabelle Gama.

A profissional destaca que, para os profissionais desses ramos, o desafio é duplo: não apenas acompanhar as tendências tecnológicas, mas também integrá-las de forma eficaz em seus campos de atuação. A automação, análise de dados em larga escala e a Internet das Coisas (IoT) são apenas algumas das tendências que estão remodelando essas indústrias.

Na agronomia, por exemplo, a agricultura de precisão impulsionada por drones e sensores está revolucionando a maneira como as colheitas são planejadas e gerenciadas. Da mesma forma, na engenharia e geociências, a modelagem computacional avançada e o uso de tecnologias de realidade aumentada estão transformando a forma como projetos são concebidos e implementados.

“No entanto, o desafio vai além da simples adoção de novas ferramentas tecnológicas. Os profissionais também precisam lidar com as mudanças no comportamento e nas expectativas do cliente, que agora esperam soluções mais rápidas, eficientes e personalizadas. Nesse contexto, a capacidade de inovar se torna fundamental, exigindo mentalidade empreendedora e uma disposição para explorar novas abordagens”, analisa Isabelle.

Enquanto as tendências tecnológicas continuarem a moldar o cenário, os profissionais das engenharias, agronomia e geociências enfrentarão o desafio de se manterem atualizados e relevantes, ao mesmo tempo em que impulsionam a inovação em seus campos de atuação.

 

Dicionário

 

Confira a seguir a definição das palavras destacadas no texto:

  1. Startups: muito utilizado no ambiente de negócios, o termo refere-se ao ato de começar algo e é normalmente relacionado às empresas inovadoras que estão no início de suas atividades.
  2. Construtechs: startup que atua no ramo da construção civil, atribuindo o uso da tecnologia ao desenvolvimento de seus produtos e/ou serviços.
  3. Agtechs: outro tipo de startup. Neste caso, voltada para o agronegócio e a aplicação de tecnologias no campo.
  4. Edutechs: são startups que atuam no setor de educação, seja por meio de plataformas de ensino ou outras ferramentas educativas.
  5. Internet das Coisas: rede de conexão que interliga aparelhos físicos para compartilhamento de dados através da internet. Isso possibilita a tomada de ação e decisão remota, sem que seja necessário estar no mesmo ambiente da ferramenta para acioná-la. O que tem sido bem aproveitado na produção rural, mas também pode facilitar uma rotina domiciliar, com lâmpadas e eletrodomésticos inteligentes, por exemplo.
  6. Metaverso: tecnologia de imersão que permite a interação entre mundo real e digital por meio de realidade aumentada ou virtual.
  7. Digital twin ou gênero digital: simulação virtual das características e condições reais de algum produto, objeto ou projeto. Verdadeiramente, é uma versão digital que permite a visualização completa e integral do item replicado em ambiente eletrônico.
  8. Criptomoeda ou cibermoeda: dinheiro virtual criado e protegido por criptografia que não existe fisicamente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado.